Apex-Brasil, SOFTEX e ABES promovem palestra para incentivar a exportação de softwares

Por Marlene Gomes e a Erika Borges
22 de maio de 2013

 A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), a Associação para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro (SOFTEX) e a Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES) promoverão palestra para empresários brasileiros nesta quinta-feira (23/05) em São Paulo. O encontro tem o objetivo de apresentar temas de interesse do setor, como o Projeto Brasil IT+, que promove a exportação de software e serviços de TI, e os produtos e serviços disponibilizados pela Apex-Brasil para auxiliar as empresas a entrarem ou ampliarem sua inserção no mercado internacional.

O diretor de Negócios da Apex-Brasil, Rogério Bellini, falará sobre as ações de promoção de exportações realizadas pela Agência e sobre como os empresários podem ter acesso a esses serviços. “Este é um setor importante para os resultados das exportações e todos os esforços feitos pelas entidades parceiras estão perfeitamente alinhados com a missão da Apex-Brasil de desenvolver a competitividade das empresas brasileiras, promovendo a internacionalização dos seus negócios e a atração de investimentos estrangeiros diretos”, explicou.

Esse encontro faz parte dos esforços da ABES para incentivar a exportação de softwares brasileiros, especialmente aqueles de maior valor agregado, e para aumentar a participação brasileira na balança comercial do setor e serviços de TI”, comenta Jamile Sabatini, diretora de Inovação e Fomento da ABES.

 Gláucia Chilliato, gerente de Negócios Internacionais da SOFTEX, explica que o Programa Setorial para Exportação do Software Brasileiro, realizado em parceria com a Apex Brasil, foi concebido de modo a atender às necessidades da indústria nacional. “Foram identificadas as atividades com maior potencial gerador de resultados comerciais e as empresas divididas, em uma iniciativa pioneira, em verticais de atuação denominadas PSVs (Portfolios de Soluções Verticais), nas quais o Brasil tem reconhecida competência.  Cada PSV discutiu e definiu, com a participação de um consultor indicado pelo Projeto, sua estratégia de atuação internacional em cada mercado-alvo”, relata

 As 15 verticais são: agronegócios, automação industrial, aviação, couro e calçados, educação, energia, finanças, gestão, mineração, outsourcing, petróleo, saúde, segurança, software embarcado e telecom.