MCTI apresenta o setor de TICs brasileiro na CeBIT IBA

Por Karen Kornilovicz Em 5 de março de 2013 Virgílio Almeida, secretário de Política de Informática do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (SEPIN-MCTI), participou na tarde desta terça-feira, 5, em Hanover, na Alemanha,  da CeBIT IBA – Fórum International Business Area (IBA). Nesta edição o Fórum tem como tema central “Nações Emergentes – foco nos mercados em crescimento: oportunidades de cooperação no Sudeste Asiático, no Norte da África e na América Latina”. Em sua palestra, Virgílio Almeida detalhou o setor de TICs brasileiro, o sétimo maior mercado do mudo e que este ano deverá alcançar uma receita líquida de US$ 149,2 bilhões segundo dados do Observatório SOFTEX, unidade de estudos e pesquisas da entidade. “A Tecnologia da Informação (TI) vem contribuindo de forma decisiva para o aumento da competitividade do país, que deseja se posicionar entre os cinco principais centros de TI do mundo nos próximos dez anos. Nesse cenário, a questão da inovação tem papel preponderante e exatamente por isso será por nós sempre estimulada”, enfatizou. Na oportunidade, o secretário também comentou sobre os mecanismos e políticas que estão sendo adotadas pelo Governo Federal no sentido de conferir mais robustez e competitividade à indústria nacional de software e serviços por meio de um investimento da ordem de US$ 250 milhões. “O caráter estratégico desse setor pode ser avaliado pelo fato de ele ser objeto de uma política nacional específica. Entre suas muitas ações, esta política foca na consolidação de ecossistemas digitais nos quais o Brasil é referência mundial, na aceleração de empresas nascentes de base tecnológica (startups) e na atração de centros de pesquisa e desenvolvimento globais. Nas últimas semanas, Microsoft, EMC e Intel, esta última por meio de parcerias com universidades, foram algumas das grandes corporações que anunciaram a abertura de centros de desenvolvimento no Brasil”, lembrou Virgílio Almeida. A CeBIT, considerado o maior evento de tecnologias digitais do mundo, foi aberta oficialmente na noite de ontem, em cerimônia que contou com a participação da chanceler Angela Merkel e do primeiro-ministro da Polônia, Donald Tusk, país parceiro da mostra, status ocupado em 2012 pelo Brasil. Até o próximo sábado, 17 empresas brasileiras apresentarão suas soluções e serviços no estande Brasil IT+, marca que identifica a indústria brasileira no exterior. A coordenação da participação nacional é da SOFTEX e a organização da SOFTSUL, agente SOFTEX no Rio Grande do Sul. Para a sua realização, a iniciativa conta ainda com o apoio do MCTI, do Ministério das Comunicações (MiniCom) e da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP).