Empresas brasileiras comentam sobre as oportunidades de negócios em Portugal

Por Karen Kornilovicz, repórter Softex

Em mais uma ação do Projeto Setorial Brasil IT+, desenvolvido pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e pela Softex, 11 empresas de software e TI estiveram presentes à Web Summit em busca de novas tecnologias, novos parceiros e novos negócios.

Com escritórios no Brasil e nos Estados Unidos, a Prosperi oferece soluções de gestão de inovação, colaboração e gerenciamento inteligente de projetos e portfólio de ponta a ponta e é considerada uma das principais parceiras da Microsoft em toda a América Latina.

“No processo de internacionalização, o planejamento é essencial para tentar minimizar possíveis surpresas no meio do caminho. Estar presente nesse momento na Web Summit foi extremamente oportuno, pois permitiu aos nossos executivos mapearem oportunidades de negócios para ofertar soluções e produtos eficientes que certamente irão auxiliar companhias de diferentes setores da economia a realizarem suas gestões de inovação e projetos de forma automatizada, ágil e eficaz”, comenta Leonardo Nogueira, CEO da Prosperi.

Após dez anos de atividades no mercado brasileiro, a Liax Tecnologia, especializada em outsourcing de TI, fez sua estreia em um evento internacional justamente na Web Summit.

“Atuamos com grandes clientes em grandes projetos por meio de relações longevas. Acreditamos que a proximidade cultural, linguística e de valores que o Brasil mantém com Portugal pode nos ajudará a acelerar e a reduzir os obstáculos de uma operação na Europa, um processo naturalmente difícil”, avalia Petterson Paula, CEO e CTO da Liax Tecnologia, acrescentando que mais do que apenas uma oportunidade de negócios, a companhia vislumbra a internacionalização como uma forma de reduzir a fuga de cérebros.

Eric Monteiro, diretor-executivo da TININOVA, ressalta o ambiente positivo de negócios português como um forte atrativo. “Portugal tem uma excelente infraestrutura e baixos custos operacionais que contribuem para um ambiente propício para o desenvolvimento de negócios inovadores e estratégicos. Além, claro, de uma série de políticas públicas que apoiam o empreendedorismo e do fato de Lisboa ser hoje um dos principais polos de startups e inovação na Europa. Experimentar presencialmente todo esse potencial foi extremamente importante para apoiar e acelerar a nossa futura decisão de internacionalização”, explica.

Bernardo Monteiro, diretor Usabit, acredita que o evento foi o fórum ideal para aprimorar o entendimento sobre o mercado português e europeu em geral por meio da troca de informações e experiências com executivos e colaboradores de empresas que já atuam na Europa.

“Estamos em fase de estudos para uma melhor compreensão do funcionamento e das possibilidades de atuação nesse mercado. O caminho natural seria continuar oferecendo o que a Usabit tem feito de melhor, que é o desenvolvimento de produtos digitais para empresas de diversos setores, além da oferta de outsourcing de profissionais de TI para clientes brasileiros e estrangeiros, mas com possíveis adaptações à realidade local. Sabemos das dificuldades que as empresas vêm enfrentando com o processo de digitalização de seus produtos e da escassez de profissionais de TI no mercado e estamos empenhados em ajudá-las no que for necessário”, detalha Monteiro.

Já Carlos Alberto Froes Lima, CEO da KNBS, especializada em pesquisa e inovação tecnológica e social, acredita que os desenvolvimentos realizados pela empresa têm aderência o mercado europeu, que vive neste momento uma transição digital mais forte que o Brasil, favorecendo uma expansão dos negócios.

“Embora nossos clientes tenham matrizes na Europa, nós ainda não temos escritórios fora do Brasil. Mas estamos nos organizando para o entendimento da cultura de negócios do continente e também na construção de novas soluções fortemente focadas no conceito de transformação digital e de negócios a partir de dados empresariais (data-driven).  Portugal capta este potencial com condições bastante atraentes e fortemente incentivadas pelo governo e por estruturas regionais para fomentar a inovação”, destaca o CEO da KNBS.

“O evento foi uma grande oportunidade para realizar networking, prospecção de clientes e identificar possíveis parceiros para nos apoiar em negócios futuros”, projeta Marcelo Mac Fadden, diretor de operações da Programmers, destacando as mais de três décadas de atuação da empresa que mantém clientes não apenas no Brasil, mas também no exterior.