No Dia Internacional da Mulher, o empreendedorismo digital feminino ganha Programa em São Paulo

Mulheres vêm perdendo participação no mercado de TI nos últimos dez anos, aponta pesquisa divulgada pela Softex no lançamento do Programa

O Dia Internacional da Mulher comemorado hoje (8) marca o lançamento do Programa Empreendedoras Digitais, uma iniciativa conjunta do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e Financiadora de Estudos e Projetos – FINEP, em parceria com a Prefeitura Municipal de São Paulo e execução da Softex e Ade Sampa.

O Programa Empreendedoras Digitais visa promover o protagonismo feminino por meio da capacitação e do desenvolvimento de empresas de base tecnológica. Seu objetivo é capacitar 300 mulheres e gerar 30 startups que serão acompanhadas em um processo de pré-aceleração a ser realizado na capital paulista.

A solenidade de assinatura do acordo contou com as presenças do Ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, astronauta Marcos Pontes; do prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas; Aline Cardoso, Secretária Municipal de Desenvolvimento Econômico e Trabalho; Frederico Celentano, Presidente da Ade Sampa; Waldemar Barroso, Presidente da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e de Ruben Delgado e Diônes Lima, respectivamente Presidente e Vice-Presidente da Softex.

“Cerca de 20% da força de trabalho do mercado formal de tecnologia da informação é de mulheres, e nós queremos ampliar as oportunidades para este público e para as outras áreas tecnológicas”, detalha Paulo Alvim, Secretário de Empreendedorismo e Inovação do MCTIC.

“A despeito do amplo reconhecimento da relevância da diversidade, a presença de mulheres em posições de liderança, especialmente no ambiente de startup, ainda é pouco significativa. Soma-se a menor presença de mulheres em posições de liderança, o fato de empreendedoras atraírem menos capital de risco para financiarem o crescimento de seus negócios. Para minimizar estas distorções, o Programa Empreendedoras Digitais irá oferecer orientação customizada para empreendedoras. Dessa forma, esperamos ampliar suas chances de sucesso”, destaca o General Waldemar Barroso, Presidente da Finep.

A escolha da cidade de São Paulo se deve ao fato de a capital paulista ter sido apontada pela Women Entrepreneur Cities Index (WE-Cities) como um dos 25 melhores locais do mundo para as empreendedoras. “O prefeito Bruno Covas tem desenvolvido ações que proporcionam um ambiente mais propício para o protagonismo feminino. Em São Paulo as microempreendedoras já são 45% do total e além dos programas de apoio às mulheres contamos com diversas ações durante o mês de março voltado especialmente a elas como o Insperifa, o Fábrica de Negócio Mais Mulheres, o Hackatona, entre outros. O projeto Empreendedoras Digitais com Ministério, Finep, Softex e Ade Sampa só reforça a vocação de São Paulo para o empreendedorismo digital feminino”, disse Aline Cardoso, secretária de Desenvolvimento Econômico e Trabalho da Prefeitura de São Paulo.

Os resultados do estudo “Mulheres na TI – Atuação da mulher no mercado de trabalho formal brasileiro em Tecnologia da Informação” realizado pela área de Inteligência Softex com o apoio da Secretaria de Empreendedorismo do MCTIC, colaboraram para o desenvolvimento de um programa focado exclusivamente na capacitação e no estímulo ao aumento da participação feminina no mercado de trabalho no setor de TI.

“A caracterização da força de trabalho e a identificação da evolução de tendências são ferramentas importantes para subsidiar políticas públicas capazes de reduzir brechas salariais e aumentar a participação da mulher no mercado de trabalho de TI. Esse programa é um instrumento que busca potencializar a força feminina para promover importantes transformações em nossa sociedade e na economia por meio do empoderamento, mobilização, educação e investimento”, destaca Ruben Delgado, presidente da Softex.

Mulheres na TI – Utilizando os dados disponíveis na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), o levantamento da área de Inteligência da Softex, realizado com o apoio da Secretaria de Empreendedorismo do MCTIC, apurou no período de 2007 a 2017 a evolução da participação por gênero, a diferença da remuneração entre homens e mulheres, a ocupação de cargos, a valorização por regiões e a escolaridade.

Os resultados evidenciam que a mulher vem perdendo participação neste setor. Em 2007, elas ocupavam 24% dos postos de trabalho no Core TI* (setores econômicos tipicamente de TI) e os homens 76%. Embora a quantidade de mulheres tenha praticamente dobrado de 2007 para 2017 (21.253 para 40.492), a quantidade de homens aumentou 144% (67.106 para 163.685). Nesse período de dez anos, a participação da mulher no mercado de trabalho no Core TI diminuiu de 24% para cerca de 20%.

No mercado de trabalho no TI In-House**, a trajetória é similar ao comportamento do Core TI. Embora a quantidade de mulheres tenha aumentado 29% (47.454 para 61.420), as vagas entre os homens cresceram mais rapidamente, em 60%, passando de 155.558 para 249.008. Nesse cenário, as mulheres tiveram sua participação reduzida de 23% em 2007 para 20% em 2017.

Quanto à remuneração por gênero, os dados permitem observar que, de maneira geral, tanto em 2007 quanto em 2017 a média entre os homens é superior à média entre as mulheres no grupo Core TI. Se em 2007 os homens ganhavam 5,34% mais, em 2017 essa diferença mais que dobrou, passando para 11,05% e ocorre em todas as ocupações.

Uma das razões que podem explicar o aumento da diferença salarial no período é a queda da participação das mulheres em cargos diretivos e gerenciais, os quais passaram a ser mais ocupados por homens proporcionalmente. E, de fato, há maior predominância de homens entre os engenheiros (87,4%) e nos cargos diretivos (87,1%) onde os salários são mais altos.

No Core TI, observa-se que o Norte é a região do país onde as mulheres têm proporcionalmente mais anos de formação, sendo que 72% delas têm ensino superior, mestrado ou doutorado. Entre os homens, esse percentual é de 61%.

Assim, embora de maneira geral os homens ganhem mais que as mulheres e os cargos com maiores salários sejam mais ocupados proporcionalmente pelos homens, a pesquisa sugere que a formação e a maior escolaridade podem ser peças-chaves para a superação das diferenças por gênero.

Todos esses dados evidenciam que as mulheres vêm perdendo participação no setor de TI nos últimos anos e pela média ganham menos que os homens, mas os casos em que a média da remuneração feminina supera a dos homens aponta caminhos para o desenvolvimento de políticas públicas. Daí a necessidade da promoção e fomento à participação feminina no mercado de trabalho formal e de políticas que impulsionem sua capacitação. Estes podem ser vetores potenciais para a superação dessas diferenças salariais realizadas em associação a outras políticas de valorização da mulher no mercado de trabalho.

* Core TI – Desenvolvimento de programas de computador sob encomenda; desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis e não-customizáveis; consultoria em TI; suporte técnico, manutenção e outros serviços em TI; tratamento de dados, provedores de serviços de aplicação

* TI In-House – Outros setores que não aqueles considerados tipicamente de TI

[av_masonry_gallery ids=’95026,95032,95031,95030,95029,95028,95027,95022,95025,95024,95023′ items=’24’ columns=’flexible’ paginate=’pagination’ size=’fixed’ orientation=’av-orientation-landscape-large’ gap=’large’ overlay_fx=’active’ animation=’active’ container_links=’active’ id=” caption_elements=’none’ caption_styling=” caption_display=’always’ color=” custom_bg=” av-medium-columns=” av-small-columns=” av-mini-columns=” av_uid=’av-37sp9x’]


Mulheres na TI

Atuação da mulher no mercado de trabalho formal brasileiro em Tecnologia da Informação.

plugins premium WordPress
Rolar para cima

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, aperfeiçoar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo.        

Gerenciar preferências de cookies

A maioria dos sites da Softex usa cookies. Cookies são pequenos arquivos de texto gravados no dispositivo para armazenar dados que serão usados posteriormente pelos servidores Web. A Softex e nossos parceiros usam cookies para lembrar suas preferências e configurações e analisar como os nossos sites estão funcionando. Para obter mais informações, consulte nosso guia de Política de Privacidade.

FuncionalAs informações coletadas por meio destes cookies são utilizadas para melhorar e personalizar a experiência do usuário, sendo que alguns cookies podem, por exemplo, ser utilizados para lembrar as preferências e escolhas do usuário, bem como para o oferecimento de conteúdo personalizado.

Google AnalyticsPermitimos que terceiros usem cookies de análise para entender como você usa nossos sites e como podemos melhorá-los. Isso também permite que terceiros possam desenvolver e aprimorar seus produtos, os quais podem ser usados em sites que não pertencem ou não são operados pela Softex. Por exemplo, eles são utilizados para coletar informações sobre as páginas que você visita e quantos cliques são necessários para realizar uma tarefa.

Mídias sociaisAssim como terceiros, usamos cookies de mídias sociais para mostrar anúncios e conteúdo com base nos perfis de redes sociais e na atividade em nossos sites. Eles são empregados para conectar sua atividade em nossos sites aos perfis de redes sociais para que os anúncios e o conteúdo visualizados em nossos sites e nas mídias sociais possam refletir melhor seus interesses.

Google AdwordsAssim como terceiros, usamos cookies de publicidade e marketing para mostrar novos anúncios após registrar os anúncios que você já viu. Eles também são utilizados para rastrear os anúncios nos quais você clica e mostrar anúncios mais relevantes para você. Por exemplo, eles são usados para detectar quando você clica em um anúncio e para mostrar anúncios com base em seus interesses nas mídias sociais e no histórico de navegação do site.

OutrosEventualmente, outros tipos de dados não previstos expressamente nesta Política de Privacidade poderão ser coletados, desde que sejam fornecidos com o consentimento do usuário, ou, ainda, que a coleta seja permitida com fundamento em outra base legal prevista em lei. Em qualquer caso, a coleta de dados e as atividades de tratamento dela decorrentes serão informadas aos usuários do site.