Gilberto Kassab abriu encontro do Conselho de Administração da Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro, que opera o programa Start-Up Brasil de estímulo ao empreendedorismo de base tecnológica.

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, destacou o alcance dos programas operados pela Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (Softex) ao abrir a 62ª Reunião do Conselho de Administração nesta terça-feira (11).

“Existe um reconhecimento unânime dentro do ministério e do governo do excelente trabalho que a Softex desempenha junto ao país”, afirmou Kassab. “Coloco-me realmente à disposição como ministro e parceiro dessas iniciativas. As razões do nosso total apoio são suas grandes ações, a qualidade dos seus programas e a capilaridade da associação, seja do ponto de vista setorial ou regional, pela sua presença em todo o Brasil e em vários pontos do mundo.”

Durante o encontro, a assembleia geral da Softex elegeu e declarou como presidente do Conselho de Administração o deputado federal Sandro Alex (PSD-PR), vice-presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados (CCTCI).

O presidente da Softex, Ruben Delgado, apresentou ao ministro o relatório anual de 2016 e recordou momentos marcantes das duas décadas de história da organização social civil de interesse público (Oscip), hoje formada por uma rede de agentes regionais distribuídos por 13 estados e pelo Distrito Federal. A associação desenvolve ações para promover a melhoria da competitividade da indústria brasileira de software e serviços de tecnologia da informação (TI) e a disponibilidade de recursos humanos qualificados em pesquisa e negócios.

Trabalho

Executora de políticas públicas do governo federal para o setor de TI, a Softex opera o programa Start-Up Brasil, em busca de agregar um conjunto de atores e instituições em favor do empreendedorismo de base tecnológica. A associação também operacionaliza a plataforma Brasil Mais TI, a fim de oferecer capacitação gratuita a jovens e adultos, com ensino à distância pela internet. As duas ações surgiram do Programa Estratégico de Software e Serviços de Tecnologia da Informação (TI Maior), lançado em agosto de 2012 pela Secretaria de Política de Informática do MCTIC (Sepin).

Segundo Delgado, Sepin e Softex formatam a segunda geração do programa Brasil Mais TI. “Esse é o maior portal de educação tecnológica gratuita do mundo e pertence ao MCTIC”, ressaltou. “Os números são surpreendentes. Nós temos mais de 278 mil alunos cadastrados, 610 cursos em andamento e 175 mil seguidores nas redes sociais. Em 2016, oferecemos 35 cursos diferentes e tivemos mais de 4 milhões de acesso à página da plataforma.”

Atualmente, a plataforma alcança mais de 61 mil alunos matriculados em institutos federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFs). “O Brasil Mais TI já é uma base para os IFs, que o utilizam como ferramenta de aprendizado”, comentou o presidente da Softex. “Lançamos um portal para conectar empresas com vagas disponíveis a estudantes que tenham entregado currículo. É um matchmaking entre quem estudou e quem precisa de recursos humanos.”

Para Delgado, o Start-Up Brasil representa um marco entre os projetos da Sepin. “O sucesso foi tão estrondoso que, para cada dólar investido pelo governo, a iniciativa privada aportou 3,5 dólares”, disse.

O programa ficou em segundo lugar no 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal, entregue em 2016 pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap) e pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MPDG).

O presidente da Softex lembrou que o Brasil recebe a 19ª edição do encontro internacional Virtual Educa, em 2018, na Bahia. “Trata-se da maior feira do mundo na área de tecnologia para educação, promovida pela Organização dos Estados Americanos [OEA] para tentar diminuir a desigualdade, por exemplo, entre os Jardins, em São Paulo, e o interior do Piauí”, apontou. “A OEA acredita que a tecnologia é a única forma de equilibrar isso.”

A cada ano, um país membro da OEA recebe o Virtual Educa, evento voltado a difundir projetos inovadores no campo da educação e da formação profissional, com impacto no desenvolvimento humano. A edição deste ano ocorre em Bogotá, na Colômbia. Entidade sócia global da iniciativa, a Softex geralmente leva empresas brasileiras de TI aos encontros do programa pela América.

Gilberto Kassab abriu encontro do Conselho de Administração da Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro, que opera o programa Start-Up Brasil de estímulo ao empreendedorismo de base tecnológica.

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, destacou o alcance dos programas operados pela Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (Softex) ao abrir a 62ª Reunião do Conselho de Administração nesta terça-feira (11). “Existe um reconhecimento unânime dentro do ministério e do governo do excelente trabalho que a Softex desempenha junto ao país”, afirmou Kassab. “Coloco-me realmente à disposição como ministro e parceiro dessas iniciativas. As razões do nosso total apoio são suas grandes ações, a qualidade dos seus programas e a capilaridade da associação, seja do ponto de vista setorial ou regional, pela sua presença em todo o Brasil e em vários pontos do mundo.” Durante o encontro, a assembleia geral da Softex elegeu e declarou como presidente do Conselho de Administração o deputado federal Sandro Alex (PSD-PR), vice-presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados (CCTCI). O presidente da Softex, Ruben Delgado, apresentou ao ministro o relatório anual de 2016 e recordou momentos marcantes das duas décadas de história da organização social civil de interesse público (Oscip), hoje formada por uma rede de agentes regionais distribuídos por 13 estados e pelo Distrito Federal. A associação desenvolve ações para promover a melhoria da competitividade da indústria brasileira de software e serviços de tecnologia da informação (TI) e a disponibilidade de recursos humanos qualificados em pesquisa e negócios. Trabalho Executora de políticas públicas do governo federal para o setor de TI, a Softex opera o programa Start-Up Brasil, em busca de agregar um conjunto de atores e instituições em favor do empreendedorismo de base tecnológica. A associação também operacionaliza a plataforma Brasil Mais TI, a fim de oferecer capacitação gratuita a jovens e adultos, com ensino à distância pela internet. As duas ações surgiram do Programa Estratégico de Software e Serviços de Tecnologia da Informação (TI Maior), lançado em agosto de 2012 pela Secretaria de Política de Informática do MCTIC (Sepin). Segundo Delgado, Sepin e Softex formatam a segunda geração do programa Brasil Mais TI. “Esse é o maior portal de educação tecnológica gratuita do mundo e pertence ao MCTIC”, ressaltou. “Os números são surpreendentes. Nós temos mais de 278 mil alunos cadastrados, 610 cursos em andamento e 175 mil seguidores nas redes sociais. Em 2016, oferecemos 35 cursos diferentes e tivemos mais de 4 milhões de acesso à página da plataforma.” Atualmente, a plataforma alcança mais de 61 mil alunos matriculados em institutos federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFs). “O Brasil Mais TI já é uma base para os IFs, que o utilizam como ferramenta de aprendizado”, comentou o presidente da Softex. “Lançamos um portal para conectar empresas com vagas disponíveis a estudantes que tenham entregado currículo. É um matchmaking entre quem estudou e quem precisa de recursos humanos.” Para Delgado, o Start-Up Brasil representa um marco entre os projetos da Sepin. “O sucesso foi tão estrondoso que, para cada dólar investido pelo governo, a iniciativa privada aportou 3,5 dólares”, disse. O programa ficou em segundo lugar no 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal, entregue em 2016 pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap) e pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MPDG). O presidente da Softex lembrou que o Brasil recebe a 19ª edição do encontro internacional Virtual Educa, em 2018, na Bahia. “Trata-se da maior feira do mundo na área de tecnologia para educação, promovida pela Organização dos Estados Americanos [OEA] para tentar diminuir a desigualdade, por exemplo, entre os Jardins, em São Paulo, e o interior do Piauí”, apontou. “A OEA acredita que a tecnologia é a única forma de equilibrar isso.” A cada ano, um país membro da OEA recebe o Virtual Educa, evento voltado a difundir projetos inovadores no campo da educação e da formação profissional, com impacto no desenvolvimento humano. A edição deste ano ocorre em Bogotá, na Colômbia. Entidade sócia global da iniciativa, a Softex geralmente leva empresas brasileiras de TI aos encontros do programa pela América.