A Softex já viabilizou mais de R$ 3,1 bilhões em investimentos do programa desde dezembro de 1997

As empresas Soluti, de Goiás, e Comunique-se, de São Paulo, conseguiram recentemente acesso, com o apoio da Softex, a recursos financeiros do Banco Nacional para o Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) por meio do Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação (Prosoft).

Ricardo Rivera de Sousa Lima, gerente setorial do Departamento das Indústrias de Tecnologias de Informação e Comunicação da área industrial do BNDES, lembra que o Prosoft vem apoiando o setor de software no formato atual desde 2014, sendo hoje a principal fonte de financiamento de longo prazo para esse conjunto de empresas.

Na análise do executivo, a Softex tem desempenhado um papel essencial para o sucesso do Prosoft. “Como a instituição conhece os produtos do BNDES, ela pode auxiliar as empresas que pretendem solicitar aportes no levantamento de informações e preparo do plano de negócios para protocolo no banco”. Ricardo Rivera lembra ainda que como o setor de software é pulverizado, com mais de 2.000 empresas, o apoio da Softex ocorre na fase de preparação de informações. “O regramento do Prosoft permite a dispensa de cobrança de comissão de estudos para os planos de negócios encaminhados pela entidade como forma de estimular as empresas de software a realizar esse contato e a preparação”, detalha.

Rodrigo Azevedo, CEO do Grupo Comunique-se, que atua na área de soluções para comunicação empresarial, destaca o trabalho realizado pela Softex e que possibilitou que a companhia cumprisse todos os requisitos do BNDES, auxiliando na montagem do plano de negócios e no esclarecimento das dúvidas ao longo de todo o processo.

“Os recursos que captamos, da ordem de R$ 2.529.000,00, serão aplicados principalmente em inovação, no aprimoramento de nossa solução em nuvem para comunicação e PR digital”, explica, afirmando que um programa com as características do Prosoft é muito importante, “pois permite que empresas realmente com potencial de inovação tenham acesso a capital financeiro a um custo acessível, possibilitando acelerar vendas e colocar o país em um patamar mais competitivo, principalmente na indústria de software”.

A área de investimentos da Softex, que engloba entre suas ações a assessoria ao BNDES-Prosoft, já viabilizou mais de R$ 3,1 bilhões em investimentos do programa desde o seu lançamento em dezembro de 1997. O trabalho de consultoria conduzido pela entidade beneficiou um total de 126 empresas apenas com os recursos oferecidos por essa fonte de financiamento.

“O programa é a principal fonte de financiamento de longo prazo para as empresas desse segmento e um instrumento de financiamento com forte impacto no fortalecimento da indústria. Cerca de 20% das empresas que solicitaram investimentos do Prosoft – 91% delas de médio e grande porte – fazem parte do Brasil IT+, o projeto setorial de exportações que gerenciamos com o apoio da Apex-Brasil”, destaca Diônes Lima, vice-presidente de operações (COO) da Softex.

Ele acrescenta que companhia que mais incrementou seu faturamento nos últimos cinco anos foi beneficiada pelo programa em 2011. “Além disso, dentre as dez participantes que mais aumentaram suas exportações no Projeto no período de 2014 a 2015, metade recebeu o investimento do BNDES”, conclui Diônes Lima.

A Softex já viabilizou mais de R$ 3,1 bilhões em investimentos do programa desde dezembro de 1997

As empresas Soluti, de Goiás, e Comunique-se, de São Paulo, conseguiram recentemente acesso, com o apoio da Softex, a recursos financeiros do Banco Nacional para o Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) por meio do Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação (Prosoft).

Ricardo Rivera de Sousa Lima, gerente setorial do Departamento das Indústrias de Tecnologias de Informação e Comunicação da área industrial do BNDES, lembra que o Prosoft vem apoiando o setor de software no formato atual desde 2014, sendo hoje a principal fonte de financiamento de longo prazo para esse conjunto de empresas.

Na análise do executivo, a Softex tem desempenhado um papel essencial para o sucesso do Prosoft. “Como a instituição conhece os produtos do BNDES, ela pode auxiliar as empresas que pretendem solicitar aportes no levantamento de informações e preparo do plano de negócios para protocolo no banco”. Ricardo Rivera lembra ainda que como o setor de software é pulverizado, com mais de 2.000 empresas, o apoio da Softex ocorre na fase de preparação de informações. “O regramento do Prosoft permite a dispensa de cobrança de comissão de estudos para os planos de negócios encaminhados pela entidade como forma de estimular as empresas de software a realizar esse contato e a preparação”, detalha.

Rodrigo Azevedo, CEO do Grupo Comunique-se, que atua na área de soluções para comunicação empresarial, destaca o trabalho realizado pela Softex e que possibilitou que a companhia cumprisse todos os requisitos do BNDES, auxiliando na montagem do plano de negócios e no esclarecimento das dúvidas ao longo de todo o processo.

“Os recursos que captamos, da ordem de R$ 2.529.000,00, serão aplicados principalmente em inovação, no aprimoramento de nossa solução em nuvem para comunicação e PR digital”, explica, afirmando que um programa com as características do Prosoft é muito importante, “pois permite que empresas realmente com potencial de inovação tenham acesso a capital financeiro a um custo acessível, possibilitando acelerar vendas e colocar o país em um patamar mais competitivo, principalmente na indústria de software”.

A área de investimentos da Softex, que engloba entre suas ações a assessoria ao BNDES-Prosoft, já viabilizou mais de R$ 3,1 bilhões em investimentos do programa desde o seu lançamento em dezembro de 1997. O trabalho de consultoria conduzido pela entidade beneficiou um total de 126 empresas apenas com os recursos oferecidos por essa fonte de financiamento.

“O programa é a principal fonte de financiamento de longo prazo para as empresas desse segmento e um instrumento de financiamento com forte impacto no fortalecimento da indústria. Cerca de 20% das empresas que solicitaram investimentos do Prosoft – 91% delas de médio e grande porte – fazem parte do Brasil IT+, o projeto setorial de exportações que gerenciamos com o apoio da Apex-Brasil”, destaca Diônes Lima, vice-presidente de operações (COO) da Softex.

Ele acrescenta que companhia que mais incrementou seu faturamento nos últimos cinco anos foi beneficiada pelo programa em 2011. “Além disso, dentre as dez participantes que mais aumentaram suas exportações no Projeto no período de 2014 a 2015, metade recebeu o investimento do BNDES”, conclui Diônes Lima.

Recentemente, a Accesstage contou com o apoio da Softex para a obtenção de um aporte de R$ 9,5 milhões do BNDES-Prosoft

A área de investimentos da Softex, que engloba entre suas ações a assessoria ao programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação (BNDES- Prosoft), voltado ao financiamento de empresas desse setor e operações de capital de risco, já analisou mais de R$ 3,1 bilhões em investimentos do programa desde o seu lançamento, em dezembro de 1997. O trabalho de consultoria conduzido pela entidade beneficiou um total de 126 empresas apenas com os recursos oferecidos por essa fonte de financiamento.

De janeiro a setembro deste ano, a Softex recebeu 170 consultas de companhias interessadas em informações sobre obtenção de recursos junto ao Prosoft. Em 2014, R$ 451,9 milhões em recursos foram contratados pelo BNDES com o apoio da Softex e a entidade registrou um total de 230 atendimentos. No momento, 08 empresas estão recebendo assessoria da entidade para a elaboração de seus planos de negócios, que em breve serão encaminhados para análise do BNDES.

“O volume de investimentos aportados pelo Prosoft é extremamente significativo e o programa é uma importante ferramenta de financiamento e com impacto concreto no fortalecimento da indústria brasileira de software e serviços de TI”, analisa Ruben Delgado, presidente da Softex, lembrando o papel fundamental desempenhado pela entidade na assessoria e estruturação do plano de negócios que viabilizou a Accesstage, especialista em soluções para intercâmbio de dados financeiros, a obter no final de setembro um aporte de R$ 9,5 milhões do BNDES-Prosoft.

Para ampliar sua fatia de mercado, a Accesstage identificou oportunidades para o desenvolvimento de novos produtos tecnológicos, a exemplo de solução de crédito consignado disponibilizado na forma de e-commerce, lançada este ano, assim como uma plataforma de empréstimos voltada para servidores, aposentados ou pensionistas do INSS.

 “O BNDES recomendou a Softex já no início do nosso contato para que pudéssemos fazer o Celso_Sato_0615levantamento de todas as informações necessárias e justificar o nosso projeto. A participação da entidade foi fundamental neste momento, pois a associação nos mostrou diversos simuladores e planilhas de planos de negócios para exemplificar quais dados eram necessários para evoluir com o procedimento junto ao banco. Além de todo material disponibilizado, eles ainda nos apoiaram de forma consultiva. Sem esse auxílio certamente seria mais difícil evoluir com o projeto”, destaca Celso Sato, presidente da Accesstage. 

Recentemente, a Accesstage contou com o apoio da Softex para a obtenção de um aporte de R$ 9,5 milhões do BNDES-Prosoft

A área de investimentos da Softex, que engloba entre suas ações a assessoria ao programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação (BNDES- Prosoft), voltado ao financiamento de empresas desse setor e operações de capital de risco, já analisou mais de R$ 3,1 bilhões em investimentos do programa desde o seu lançamento, em dezembro de 1997. O trabalho de consultoria conduzido pela entidade beneficiou um total de 126 empresas apenas com os recursos oferecidos por essa fonte de financiamento.

De janeiro a setembro deste ano, a Softex recebeu 170 consultas de companhias interessadas em informações sobre obtenção de recursos junto ao Prosoft. Em 2014, R$ 451,9 milhões em recursos foram contratados pelo BNDES com o apoio da Softex e a entidade registrou um total de 230 atendimentos. No momento, 08 empresas estão recebendo assessoria da entidade para a elaboração de seus planos de negócios, que em breve serão encaminhados para análise do BNDES.

“O volume de investimentos aportados pelo Prosoft é extremamente significativo e o programa é uma importante ferramenta de financiamento e com impacto concreto no fortalecimento da indústria brasileira de software e serviços de TI”, analisa Ruben Delgado, presidente da Softex, lembrando o papel fundamental desempenhado pela entidade na assessoria e estruturação do plano de negócios que viabilizou a Accesstage, especialista em soluções para intercâmbio de dados financeiros, a obter no final de setembro um aporte de R$ 9,5 milhões do BNDES-Prosoft.

Para ampliar sua fatia de mercado, a Accesstage identificou oportunidades para o desenvolvimento de novos produtos tecnológicos, a exemplo de solução de crédito consignado disponibilizado na forma de e-commerce, lançada este ano, assim como uma plataforma de empréstimos voltada para servidores, aposentados ou pensionistas do INSS.

 “O BNDES recomendou a Softex já no início do nosso contato para que pudéssemos fazer o Celso_Sato_0615levantamento de todas as informações necessárias e justificar o nosso projeto. A participação da entidade foi fundamental neste momento, pois a associação nos mostrou diversos simuladores e planilhas de planos de negócios para exemplificar quais dados eram necessários para evoluir com o procedimento junto ao banco. Além de todo material disponibilizado, eles ainda nos apoiaram de forma consultiva. Sem esse auxílio certamente seria mais difícil evoluir com o projeto”, destaca Celso Sato, presidente da Accesstage. 

Recentemente, a Accesstage contou com o apoio da Softex para a obtenção de um aporte de R$ 9,5 milhões do BNDES-Prosoft

A área de investimentos da Softex, que engloba entre suas ações a assessoria ao programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação (BNDES- Prosoft), voltado ao financiamento de empresas desse setor e operações de capital de risco, já analisou mais de R$ 3,1 bilhões em investimentos do programa desde o seu lançamento, em dezembro de 1997. O trabalho de consultoria conduzido pela entidade beneficiou um total de 126 empresas apenas com os recursos oferecidos por essa fonte de financiamento.

De janeiro a setembro deste ano, a Softex recebeu 170 consultas de companhias interessadas em informações sobre obtenção de recursos junto ao Prosoft. Em 2014, R$ 451,9 milhões em recursos foram contratados pelo BNDES com o apoio da Softex e a entidade registrou um total de 230 atendimentos. No momento, 08 empresas estão recebendo assessoria da entidade para a elaboração de seus planos de negócios, que em breve serão encaminhados para análise do BNDES.

“O volume de investimentos aportados pelo Prosoft é extremamente significativo e o programa é uma importante ferramenta de financiamento e com impacto concreto no fortalecimento da indústria brasileira de software e serviços de TI”, analisa Ruben Delgado, presidente da Softex, lembrando o papel fundamental desempenhado pela entidade na assessoria e estruturação do plano de negócios que viabilizou a Accesstage, especialista em soluções para intercâmbio de dados financeiros, a obter no final de setembro um aporte de R$ 9,5 milhões do BNDES-Prosoft.

Para ampliar sua fatia de mercado, a Accesstage identificou oportunidades para o desenvolvimento de novos produtos tecnológicos, a exemplo de solução de crédito consignado disponibilizado na forma de e-commerce, lançada este ano, assim como uma plataforma de empréstimos voltada para servidores, aposentados ou pensionistas do INSS.

 “O BNDES recomendou a Softex já no início do nosso contato para que pudéssemos fazer o Celso_Sato_0615levantamento de todas as informações necessárias e justificar o nosso projeto. A participação da entidade foi fundamental neste momento, pois a associação nos mostrou diversos simuladores e planilhas de planos de negócios para exemplificar quais dados eram necessários para evoluir com o procedimento junto ao banco. Além de todo material disponibilizado, eles ainda nos apoiaram de forma consultiva. Sem esse auxílio certamente seria mais difícil evoluir com o projeto”, destaca Celso Sato, presidente da Accesstage. 

Com a missão de apoiar a melhoria de processos das organizações mineiras, a Fumsoft lança o 13º grupo para empresas interessadas em implementar o MPS.Br. O G13 terá início, no primeiro trimestre de 2016, com o apoio do Sebrae e do MGTI, programa que pretende colocar Minas Gerais em posição de destaque no cenário nacional de TI e com visibilidade internacional até 2022.

Esse movimento, criado em 2004, pela Softex, contribuiu para a evolução da qualidade do software desenvolvido no Brasil e trouxe ganhos comprovados de competitividade para a indústria nacional. Os resultados são significativos também para as 650 empresas que adotaram o modelo.

Já o programa da Fumsoft, lançado em 2005, colocou Minas Gerais em segundo lugar em número de certificações, ficando atrás apenas de São Paulo. A previsão é que o estado ultrapasse 100 certificações até o final deste ano, e se aproxime de São Paulo com 120 certificações.

A novidade desta edição é que a empresa além de mudar de patamar em termos de melhoria de processos de software, terá a oportunidade de adotar as melhores práticas aplicadas mundialmente nas áreas de serviços (MPS-SV e normas ISO), produtos (Certics) e dados.

As organizações mineiras interessadas em participar do projeto devem entrar em contato com a Fumsoft até o início de setembro via e-mail qualidade@fumsoft.org.br ou pelos telefones (031) 3194-7658 ou 3194-7659.

As vagas são limitadas e serão preenchidas de acordo com a ordem de chegada dos pedidos oficiais de participação e a disponibilização de recursos do Sebrae.