Estudo da Softex aponta retração da presença de mulheres no universo das TICs

Apesar do reconhecimento cada vez maior da relevância da diversidade nas organizações e nas atividades econômicas, a participação das mulheres nos setores de telecomunicações e tecnologia da informação tem diminuído nos últimos anos.  Esta é uma das constatações do estudo “W-Tech” realizado pelo Observatório Softex, unidade de estudos e pesquisas da entidade.

Utilizando os dados disponíveis na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), o levantamento da Softex teve por objetivo constatar o atual estágio da presença feminina no universo das TICs apurando no período de 2015 a 2019 a evolução da participação por gênero, a diferença da remuneração entre homens e mulheres e um possível impacto desencadeado pela pandemia.

Embora estimativa do IBGE (2022) indique que o Brasil possui uma população de 214,3 milhões de pessoas, sendo 51,13% predominantemente composta por mulheres e 24% por jovens adultos de 25 a 39 anos, esta distribuição equilibrada não se verifica nas atividades econômicas constituídas pelos setores de telecomunicações, tecnologia da informação, conteúdo e mídia.

Entre os anos de 2015 e 2019, de acordo com a RAIS, houve redução de 2,1% no número de trabalhadoras em Informação e Comunicação, o que encolheu a participação feminina de 38,1% para 35,6%. Em Telecomunicações essa diminuição foi ainda mais intensa: queda de 3%.

Segundo o Novo CAGED (2021), os serviços de Informação e Comunicação responderam por 1,05 milhão  de trabalhadores formais no mercado em 2021 , mantendo o crescimento consistente desde o início da série histórica (2007), com um aumento de 12,7% em 2021 em relação a 2020. De acordo com a RAIS, pouco mais de um terço (35,6%) dos empregados desse segmento era formado por mulheres. No estudo, foram destacados três subsegmentos: atividades de prestação de serviços de informação, Telecomunicações e atividades dos serviços de tecnologia da informação, que juntos responderam por mais de 85,5% dos trabalhadores desse mercado no ano passado.

“Em relação à remuneração, há uma significativa diferença entre os gêneros. Para uma remuneração média do segmento de Informação e Comunicação de R$ 4.877,77, a média dos homens é de R$ 5.277,26 contra R$ 4.147,94 das mulheres. A maior disparidade está em atividades de prestação de serviços de informação, com a média dos salários masculinos superando em 27,9% a dos femininos”, destaca Ana Vitória Alkmin, pesquisadora responsável pelo Observatório Softex.

A pandemia do COVID-19 também aumentou o gap entre os dois gêneros. “As mulheres nas áreas de ciência e engenharia relataram ter sido afetadas de forma desproporcional, com a diminuição de pelo menos 5% no tempo de pesquisa em comparação com os homens, acentuando o desequilíbrio entre vida pessoal e profissional”, pondera Ana Vitória, lembrando que em decorrência da pandemia, o Global Gender Gap Report 2021 concluiu que o tempo que levará para fechar a lacuna de gênero em todo o mundo aumentou, em apenas uma geração, de 99,5 para 135,6 anos.

Outro dado que chama a atenção diz respeito às mulheres que atuam em ciência e tecnologia. Elas têm menos probabilidade do que os homens em acessar financiamentos, sendo que as startups lideradas por elas receberam apenas 2,3% do capital de risco em 2020, de acordo com a Harvard Business Review.

O trabalho enfatiza ainda a importância da promoção de esforços nos níveis governamental, acadêmico e corporativo para lidar com esse desequilíbrio de gênero. Para Elisa Carlos, head de operações da Softex, “o desafio é atrair e reter mulheres nesses campos de estudo, assim como reduzir as barreiras de inserção e manutenção delas na área, sobretudo no que diz respeito às mudanças sobre o entendimento do papel da mulher, considerando o contexto socioeconômico e os estímulos de desenvolvimento recebidos desde a infância e/ou juventude na família ou na escola”.

Em sua conclusão, o levantamento do Observatório Softex pondera que somado ao desequilíbrio de espaço entre mulheres e homens na economia da informação, promover a atração feminina – desde a academia – para esse mercado também apoiará a solução da escassez de talentos em ciências, tecnologias, engenharias e matemática frente a demanda do mercado, assim como amenizará a homogeneidade dos profissionais de TIC, que exibe baixa absorção de mulheres, PCDs e pessoas não brancas.

Para obter gratuitamente a íntegra do estudo “W-Tech” acesse https://softex.br/inteligencia/

plugins premium WordPress
Rolar para cima

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, aperfeiçoar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo.        

Gerenciar preferências de cookies

A maioria dos sites da Softex usa cookies. Cookies são pequenos arquivos de texto gravados no dispositivo para armazenar dados que serão usados posteriormente pelos servidores Web. A Softex e nossos parceiros usam cookies para lembrar suas preferências e configurações e analisar como os nossos sites estão funcionando. Para obter mais informações, consulte nosso guia de Política de Privacidade.

FuncionalAs informações coletadas por meio destes cookies são utilizadas para melhorar e personalizar a experiência do usuário, sendo que alguns cookies podem, por exemplo, ser utilizados para lembrar as preferências e escolhas do usuário, bem como para o oferecimento de conteúdo personalizado.

Google AnalyticsPermitimos que terceiros usem cookies de análise para entender como você usa nossos sites e como podemos melhorá-los. Isso também permite que terceiros possam desenvolver e aprimorar seus produtos, os quais podem ser usados em sites que não pertencem ou não são operados pela Softex. Por exemplo, eles são utilizados para coletar informações sobre as páginas que você visita e quantos cliques são necessários para realizar uma tarefa.

Mídias sociaisAssim como terceiros, usamos cookies de mídias sociais para mostrar anúncios e conteúdo com base nos perfis de redes sociais e na atividade em nossos sites. Eles são empregados para conectar sua atividade em nossos sites aos perfis de redes sociais para que os anúncios e o conteúdo visualizados em nossos sites e nas mídias sociais possam refletir melhor seus interesses.

Google AdwordsAssim como terceiros, usamos cookies de publicidade e marketing para mostrar novos anúncios após registrar os anúncios que você já viu. Eles também são utilizados para rastrear os anúncios nos quais você clica e mostrar anúncios mais relevantes para você. Por exemplo, eles são usados para detectar quando você clica em um anúncio e para mostrar anúncios com base em seus interesses nas mídias sociais e no histórico de navegação do site.

OutrosEventualmente, outros tipos de dados não previstos expressamente nesta Política de Privacidade poderão ser coletados, desde que sejam fornecidos com o consentimento do usuário, ou, ainda, que a coleta seja permitida com fundamento em outra base legal prevista em lei. Em qualquer caso, a coleta de dados e as atividades de tratamento dela decorrentes serão informadas aos usuários do site.