A Softex já viabilizou mais de R$ 3,1 bilhões em investimentos do programa desde dezembro de 1997

As empresas Soluti, de Goiás, e Comunique-se, de São Paulo, conseguiram recentemente acesso, com o apoio da Softex, a recursos financeiros do Banco Nacional para o Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) por meio do Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação (Prosoft).

Ricardo Rivera de Sousa Lima, gerente setorial do Departamento das Indústrias de Tecnologias de Informação e Comunicação da área industrial do BNDES, lembra que o Prosoft vem apoiando o setor de software no formato atual desde 2014, sendo hoje a principal fonte de financiamento de longo prazo para esse conjunto de empresas.

Na análise do executivo, a Softex tem desempenhado um papel essencial para o sucesso do Prosoft. “Como a instituição conhece os produtos do BNDES, ela pode auxiliar as empresas que pretendem solicitar aportes no levantamento de informações e preparo do plano de negócios para protocolo no banco”. Ricardo Rivera lembra ainda que como o setor de software é pulverizado, com mais de 2.000 empresas, o apoio da Softex ocorre na fase de preparação de informações. “O regramento do Prosoft permite a dispensa de cobrança de comissão de estudos para os planos de negócios encaminhados pela entidade como forma de estimular as empresas de software a realizar esse contato e a preparação”, detalha.

Rodrigo Azevedo, CEO do Grupo Comunique-se, que atua na área de soluções para comunicação empresarial, destaca o trabalho realizado pela Softex e que possibilitou que a companhia cumprisse todos os requisitos do BNDES, auxiliando na montagem do plano de negócios e no esclarecimento das dúvidas ao longo de todo o processo.

“Os recursos que captamos, da ordem de R$ 2.529.000,00, serão aplicados principalmente em inovação, no aprimoramento de nossa solução em nuvem para comunicação e PR digital”, explica, afirmando que um programa com as características do Prosoft é muito importante, “pois permite que empresas realmente com potencial de inovação tenham acesso a capital financeiro a um custo acessível, possibilitando acelerar vendas e colocar o país em um patamar mais competitivo, principalmente na indústria de software”.

A área de investimentos da Softex, que engloba entre suas ações a assessoria ao BNDES-Prosoft, já viabilizou mais de R$ 3,1 bilhões em investimentos do programa desde o seu lançamento em dezembro de 1997. O trabalho de consultoria conduzido pela entidade beneficiou um total de 126 empresas apenas com os recursos oferecidos por essa fonte de financiamento.

“O programa é a principal fonte de financiamento de longo prazo para as empresas desse segmento e um instrumento de financiamento com forte impacto no fortalecimento da indústria. Cerca de 20% das empresas que solicitaram investimentos do Prosoft – 91% delas de médio e grande porte – fazem parte do Brasil IT+, o projeto setorial de exportações que gerenciamos com o apoio da Apex-Brasil”, destaca Diônes Lima, vice-presidente de operações (COO) da Softex.

Ele acrescenta que companhia que mais incrementou seu faturamento nos últimos cinco anos foi beneficiada pelo programa em 2011. “Além disso, dentre as dez participantes que mais aumentaram suas exportações no Projeto no período de 2014 a 2015, metade recebeu o investimento do BNDES”, conclui Diônes Lima.

A Softex já viabilizou mais de R$ 3,1 bilhões em investimentos do programa desde dezembro de 1997

As empresas Soluti, de Goiás, e Comunique-se, de São Paulo, conseguiram recentemente acesso, com o apoio da Softex, a recursos financeiros do Banco Nacional para o Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) por meio do Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação (Prosoft).

Ricardo Rivera de Sousa Lima, gerente setorial do Departamento das Indústrias de Tecnologias de Informação e Comunicação da área industrial do BNDES, lembra que o Prosoft vem apoiando o setor de software no formato atual desde 2014, sendo hoje a principal fonte de financiamento de longo prazo para esse conjunto de empresas.

Na análise do executivo, a Softex tem desempenhado um papel essencial para o sucesso do Prosoft. “Como a instituição conhece os produtos do BNDES, ela pode auxiliar as empresas que pretendem solicitar aportes no levantamento de informações e preparo do plano de negócios para protocolo no banco”. Ricardo Rivera lembra ainda que como o setor de software é pulverizado, com mais de 2.000 empresas, o apoio da Softex ocorre na fase de preparação de informações. “O regramento do Prosoft permite a dispensa de cobrança de comissão de estudos para os planos de negócios encaminhados pela entidade como forma de estimular as empresas de software a realizar esse contato e a preparação”, detalha.

Rodrigo Azevedo, CEO do Grupo Comunique-se, que atua na área de soluções para comunicação empresarial, destaca o trabalho realizado pela Softex e que possibilitou que a companhia cumprisse todos os requisitos do BNDES, auxiliando na montagem do plano de negócios e no esclarecimento das dúvidas ao longo de todo o processo.

“Os recursos que captamos, da ordem de R$ 2.529.000,00, serão aplicados principalmente em inovação, no aprimoramento de nossa solução em nuvem para comunicação e PR digital”, explica, afirmando que um programa com as características do Prosoft é muito importante, “pois permite que empresas realmente com potencial de inovação tenham acesso a capital financeiro a um custo acessível, possibilitando acelerar vendas e colocar o país em um patamar mais competitivo, principalmente na indústria de software”.

A área de investimentos da Softex, que engloba entre suas ações a assessoria ao BNDES-Prosoft, já viabilizou mais de R$ 3,1 bilhões em investimentos do programa desde o seu lançamento em dezembro de 1997. O trabalho de consultoria conduzido pela entidade beneficiou um total de 126 empresas apenas com os recursos oferecidos por essa fonte de financiamento.

“O programa é a principal fonte de financiamento de longo prazo para as empresas desse segmento e um instrumento de financiamento com forte impacto no fortalecimento da indústria. Cerca de 20% das empresas que solicitaram investimentos do Prosoft – 91% delas de médio e grande porte – fazem parte do Brasil IT+, o projeto setorial de exportações que gerenciamos com o apoio da Apex-Brasil”, destaca Diônes Lima, vice-presidente de operações (COO) da Softex.

Ele acrescenta que companhia que mais incrementou seu faturamento nos últimos cinco anos foi beneficiada pelo programa em 2011. “Além disso, dentre as dez participantes que mais aumentaram suas exportações no Projeto no período de 2014 a 2015, metade recebeu o investimento do BNDES”, conclui Diônes Lima.

A Softex, no âmbito do Programa MPS.BR, comunica as condições para inscrição no Curso para Avaliadores MPS (C3-MPS), com 24 horas de duração, para uma turma com até 20 participantes:

Data: 1, 2 e 3 de dezembro de 2016

Horário: 08h00 às 18h00 (24 horas)

Local: Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Laboratório de Engenharia e Processos de Software (LEPS)
Rua Imaculada Conceição, 1155 – Bloco 8 – Parque Tecnológico – Térreo, Curitiba/PR

O Curso para Avaliadores MPS (C3-MPS) é pré-requisito para inscrição, futuramente, em Provas para Avaliadores MPS (P3-MPS).

• Requisitos mínimos para candidatar-se ao Curso de Avaliadores MPS:

Caso 1: Implementadores MPS-SW ou MPS-SV

Formação acadêmica:

• Possuir curso superior completo e
• Conhecimento comprovado de Engenharia de Software com foco em processos de software.

Treinamento MPS:

• Aprovação na Prova de Implementadores de Software (P2-MPS-SW) ou na Prova de Implementadores de Serviços (P2-MPS-SV).

Experiência profissional:

• Experiência comprovada de 3 (três) anos na área de Engenharia de Software, no mínimo e
• Experiência comprovada de 3 (três) anos em gerência de projetos de software, no mínimo, ou experiência comprovada de implementação de processos de software ou de serviços onde a unidade organizacional obteve oficialmente nível de maturidade do MR-MPS.

Caso 2: Lead appraisers CMMI que desejem se tornar avaliadores MPS
O Programa MPS.BR reconhece como adequado o processo de seleção e formação de lead appraisers realizado pelo CMMI. Desta forma, caso um lead appraiser deseje se tornar, também, avaliador MPS, é reconhecido como cumpridos os requisitos estabelecidos no MPS para formação acadêmica e experiência profissional.
Um lead aprraiser que deseje ser avaliador MPS deve, ao enviar seu Curriculum Vitae, comprovar sua condição de lead appraiser vigente.

• Cronograma:

Até 22 de outubro de 2016 (data limite de postagem via e-mail), os candidatos deverão submeter seus currículos, documentação comprobatória completa, mesmo que já tenham enviado à Softex em outra ocasião (não serão considerados itens do currículo que não estiverem comprovados ao se apresentar a candidatura ao curso) para seleção de até 20 participantes, mediante o pagamento da análise do currículo no valor de R$ 450,00 (quatrocentos e cinquenta reais) com a seguinte identificação “CURRICULUM VITAE DE CANDIDATO AO CURSO PARA AVALIADORES MPS (C3-MPS)”, via e-mail, aos cuidados de:

Cristina Machado – cristina.machado@gmail.com com cópia para mpsbr@softex.br

O comprovante de pagamento da análise de currículo deve ser enviado por mensagem eletrônica para mpsbr@softex.br após a Softex confirmar a realização do curso. Não pague antes de saber se o curso será confirmado ou não.

Até 22 de outubro de 2016 (data limite da realização de inscrição para análise de currículo): INSCREVA-SE AQUI.

Até 07 de novembro de 2016, a Softex divulgará até 20 candidatos selecionados dentre os currículos submetidos. Não há possibilidade de recurso a esta seleção.

Até 14 de novembro de 2016, os candidatos selecionados deverão confirmar sua participação no Portal www.softex.br/mpsbr, mediante o pagamento da inscrição no curso valor de R$ 1.800,00 (um mil e oitocentos reais).

 Caso haja alguma desistência, para completar uma turma com até 20 participantes, a Softex poderá chamar outros candidatos obedecendo a ordem em que foram classificados os currículos. Entretanto não há qualquer obrigatoriedade da Softex para isto, podendo ficar sem preenchimento uma ou mais vagas.

Programa do Curso para Avaliadores do MPS.BR (C3-MPS)

01 de dezembro de 2016 (5 ª feira – 8 às 12 e 14 às 18 horas)
• Processo e Método de Avaliação (MA-MPS)

02 de dezembro de 2016 (6 ª feira – 8 às 12 e 14 às 18 horas)
• Como conduzir uma avaliação MPS.BR: controle de tempo, entrevistas, atitudes do avaliador
• Instituições Avaliadoras
• Observação de Avaliadores Líderes
• Auditorias

03 de dezembro de 2016 (sábado – 8 às 12 e 14 às 18 horas) Exercício de avaliação inicial

Instrutores:
 Cristina Machado
 Sheila Reinehr

A Softex, no âmbito do Programa MPS.BR, comunica as condições para inscrição no Curso para Avaliadores MPS (C3-MPS), com 24 horas de duração, para uma turma com até 20 participantes: Data: 1, 2 e 3 de dezembro de 2016 Horário: 08h00 às 18h00 (24 horas) Local: Pontifícia Universidade Católica do Paraná Laboratório de Engenharia e Processos de Software (LEPS) Rua Imaculada Conceição, 1155 – Bloco 8 – Parque Tecnológico – Térreo, Curitiba/PR O Curso para Avaliadores MPS (C3-MPS) é pré-requisito para inscrição, futuramente, em Provas para Avaliadores MPS (P3-MPS). • Requisitos mínimos para candidatar-se ao Curso de Avaliadores MPS: Caso 1: Implementadores MPS-SW ou MPS-SV Formação acadêmica: • Possuir curso superior completo e • Conhecimento comprovado de Engenharia de Software com foco em processos de software. Treinamento MPS: • Aprovação na Prova de Implementadores de Software (P2-MPS-SW) ou na Prova de Implementadores de Serviços (P2-MPS-SV). Experiência profissional: • Experiência comprovada de 3 (três) anos na área de Engenharia de Software, no mínimo e • Experiência comprovada de 3 (três) anos em gerência de projetos de software, no mínimo, ou experiência comprovada de implementação de processos de software ou de serviços onde a unidade organizacional obteve oficialmente nível de maturidade do MR-MPS. Caso 2: Lead appraisers CMMI que desejem se tornar avaliadores MPS O Programa MPS.BR reconhece como adequado o processo de seleção e formação de lead appraisers realizado pelo CMMI. Desta forma, caso um lead appraiser deseje se tornar, também, avaliador MPS, é reconhecido como cumpridos os requisitos estabelecidos no MPS para formação acadêmica e experiência profissional. Um lead aprraiser que deseje ser avaliador MPS deve, ao enviar seu Curriculum Vitae, comprovar sua condição de lead appraiser vigente. • Cronograma: Até 22 de outubro de 2016 (data limite de postagem via e-mail), os candidatos deverão submeter seus currículos, documentação comprobatória completa, mesmo que já tenham enviado à Softex em outra ocasião (não serão considerados itens do currículo que não estiverem comprovados ao se apresentar a candidatura ao curso) para seleção de até 20 participantes, mediante o pagamento da análise do currículo no valor de R$ 450,00 (quatrocentos e cinquenta reais) com a seguinte identificação “CURRICULUM VITAE DE CANDIDATO AO CURSO PARA AVALIADORES MPS (C3-MPS)”, via e-mail, aos cuidados de: Cristina Machado – cristina.machado@gmail.com com cópia para mpsbr@softex.br O comprovante de pagamento da análise de currículo deve ser enviado por mensagem eletrônica para mpsbr@softex.br após a Softex confirmar a realização do curso. Não pague antes de saber se o curso será confirmado ou não. Até 22 de outubro de 2016 (data limite da realização de inscrição para análise de currículo): INSCREVA-SE AQUI. Até 07 de novembro de 2016, a Softex divulgará até 20 candidatos selecionados dentre os currículos submetidos. Não há possibilidade de recurso a esta seleção. Até 14 de novembro de 2016, os candidatos selecionados deverão confirmar sua participação no Portal www.softex.br/mpsbr, mediante o pagamento da inscrição no curso valor de R$ 1.800,00 (um mil e oitocentos reais).  Caso haja alguma desistência, para completar uma turma com até 20 participantes, a Softex poderá chamar outros candidatos obedecendo a ordem em que foram classificados os currículos. Entretanto não há qualquer obrigatoriedade da Softex para isto, podendo ficar sem preenchimento uma ou mais vagas. Programa do Curso para Avaliadores do MPS.BR (C3-MPS) 01 de dezembro de 2016 (5 ª feira – 8 às 12 e 14 às 18 horas) • Processo e Método de Avaliação (MA-MPS) 02 de dezembro de 2016 (6 ª feira – 8 às 12 e 14 às 18 horas) • Como conduzir uma avaliação MPS.BR: controle de tempo, entrevistas, atitudes do avaliador • Instituições Avaliadoras • Observação de Avaliadores Líderes • Auditorias 03 de dezembro de 2016 (sábado – 8 às 12 e 14 às 18 horas) Exercício de avaliação inicial Instrutores:  Cristina Machado  Sheila Reinehr

28 empresas brasileiras marcarão presença em um dos mais  importantes encontros anuais de CIOs dos Estados Unidos

Em mais uma ação do projeto de promoção de exportações do setor de software e serviços de TI, desenvolvido em parceria entre a Softex e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), o Brasil estará presente pelo 13° ano consecutivo no Gartner Symposium/ITXPO. As 28 empresas que compõem a delegação brasileira, a maior que o país já levou ao evento, se apresentarão sob a marca Brasil IT+, que identifica no exterior o setor de TI nacional.

Considerado o maior e o mais importante encontro anual de chief information officers (CIOs) e de líderes da indústria de TI no mercado norte-americano, o evento será realizado de 16 a 20 de outubro, em Orlando, nos Estados Unidos.

Guilherme Amorim, gestor do Projeto Setorial Softex, lembra que mais de 8.000 CIOs e executivos de TI estarão reunidos no Gartner Symposium/ITXPO buscando os insights, as ferramentas e as soluções que necessitam para validar suas estratégias de TI. “Os Estados Unidos são um país estratégico para as companhias brasileiras e esse evento é uma oportunidade para apresentar o nosso capital tecnológico inovador. Prova disso é o robusto portfolio brasileiro que exibiremos e que contempla desde aplicações de segurança, mobilidade e colaboração até serviços de outsourcing”, destaca.

Integram a delegação as empresas Automidia, Actminds, Apdata, Aurus, Borba Lewis, Cinq, CI&T, Dextra, DTI, e-trust, Icaro, it4cio, Konics, MC1, Navita, Objective, Poatek, Prime Systems, Priori, Premier IT, Resource IT, Sambatech, Senior Sistema, Setrion/Milldesk, Siena, Sikur, Stefanini e Tokenlab.

Além do estande coletivo, o Brasil IT+ fará apresentações como parte da grade de sessões do simpósio: um painel sobre tecnologias digitais e uso em IoT com a participação de executivos da E-trust, Dextra e Actminds; o caso de sucesso da Whirlpool sobre automação de processo robóticos com a Resource It e o lançamento de um produto baseado em dashboards cognitivos da Ícaro com o IBM Watson.

“O Gartner Symposium/ITXPO é a vitrine ideal para a apresentação do conceito de um Brasil inovador, destacando casos de sucesso e tecnologias de ponta para um público extremamente qualificado. Trata-se de um encontro muito importante para firmarmos nossa competência em um setor onde nosso know-how é incontestável”, complementa Amorim.

O Gartner Symposium/ITXPO Orlando deverá reunir mais de 8 mil participantes, 3.000 CIOs, 180 analistas do Gartner e 260 provedores de soluções de todo o mundo.

28 empresas brasileiras marcarão presença em um dos mais  importantes encontros anuais de CIOs dos Estados Unidos

Em mais uma ação do projeto de promoção de exportações do setor de software e serviços de TI, desenvolvido em parceria entre a Softex e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), o Brasil estará presente pelo 13° ano consecutivo no Gartner Symposium/ITXPO. As 28 empresas que compõem a delegação brasileira, a maior que o país já levou ao evento, se apresentarão sob a marca Brasil IT+, que identifica no exterior o setor de TI nacional.

Considerado o maior e o mais importante encontro anual de chief information officers (CIOs) e de líderes da indústria de TI no mercado norte-americano, o evento será realizado de 16 a 20 de outubro, em Orlando, nos Estados Unidos.

Guilherme Amorim, gestor do Projeto Setorial Softex, lembra que mais de 8.000 CIOs e executivos de TI estarão reunidos no Gartner Symposium/ITXPO buscando os insights, as ferramentas e as soluções que necessitam para validar suas estratégias de TI. “Os Estados Unidos são um país estratégico para as companhias brasileiras e esse evento é uma oportunidade para apresentar o nosso capital tecnológico inovador. Prova disso é o robusto portfolio brasileiro que exibiremos e que contempla desde aplicações de segurança, mobilidade e colaboração até serviços de outsourcing”, destaca.

Integram a delegação as empresas Automidia, Actminds, Apdata, Aurus, Borba Lewis, Cinq, CI&T, Dextra, DTI, e-trust, Icaro, it4cio, Konics, MC1, Navita, Objective, Poatek, Prime Systems, Priori, Premier IT, Resource IT, Sambatech, Senior Sistema, Setrion/Milldesk, Siena, Sikur, Stefanini e Tokenlab.

Além do estande coletivo, o Brasil IT+ fará apresentações como parte da grade de sessões do simpósio: um painel sobre tecnologias digitais e uso em IoT com a participação de executivos da E-trust, Dextra e Actminds; o caso de sucesso da Whirlpool sobre automação de processo robóticos com a Resource It e o lançamento de um produto baseado em dashboards cognitivos da Ícaro com o IBM Watson.

“O Gartner Symposium/ITXPO é a vitrine ideal para a apresentação do conceito de um Brasil inovador, destacando casos de sucesso e tecnologias de ponta para um público extremamente qualificado. Trata-se de um encontro muito importante para firmarmos nossa competência em um setor onde nosso know-how é incontestável”, complementa Amorim.

O Gartner Symposium/ITXPO Orlando deverá reunir mais de 8 mil participantes, 3.000 CIOs, 180 analistas do Gartner e 260 provedores de soluções de todo o mundo.